O homem e sua relação com a Torah – Restaurando a sã doutrina

Ministração: Ap. Levi Oliveira
Texto Base: Salmos 89:14


Salmos 89:14 – “Justiça e juízo são a base do teu trono; misericórdia e verdade irão adiante do teu rosto”.

Salmos 50:6 – “E os céus anunciarão a sua justiça; pois Deus mesmo é o Juiz. (Selá.)”.

Isaías 28:17 – “E regrarei o juízo pela linha, e a justiça pelo prumo, e a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo”.

Torah – Não significa Lei, nem mandamentos (Mitzvot) – Significa ENSINAMENTO, ensino pleno da verdade presente em D’us e implantada em Adão, que foi feito à Sua imagem e semelhança. A Torah existe desde que D’us é D’us e isto se aprende pela fé. Toda a criação conectada a D’us, mantendo-nos em plena unidade. A Torah está fundamentada em duas bases: Justiça (Tzedaka, Tsedaca ou mesmo Zedacá (hebraico: צדקה) e juízo (mish·pát).

01. A Torah está em D’us e manifesta o Seu caráter; foi colocada no homem, desde a criação, porém o homem se desconectou dessa fonte, sendo necessário retornar ao princípio (Torah). Este conceito de justiça é diferente da justiça humana a qual se baseia na ideia de vingança. Essa justiça é embasada em restaurar a humanidade. É possibilitar que cada um viva a plenitude de vida. A justiça de D’us restaura o homem.

 Tsedaca – ideia de equidade como a balança, igualdade (dá ideia de código civil). A Bíblia ensina a cuidar dos órfãos e viúvas. Ex.: prática de dar esmolas na Bíblia: entrar na vida de alguém de tal maneira que venha trazer dignidade à vida dele. É criar caminhos para que a pessoa em dificuldades possa encontrar a dignidade.

  1. Tikkun olan – Restaurar todas as coisas conforme D’us criou. Quando se pratica a Tsedaca estamos promovendo o Tikkun Olan. Isto deve ser vivido no nosso dia a dia, dessa forma estaremos cooperando para a restauração do Senhor da terra; não viemos para o culto apenas para receber bênçãos para a nossa casa, mas para sermos mudados ao ponto de impactarmos o lugar em que convivemos. Pra tal precisamos de uma ideia mais profunda de piedade.
  2. Piedade – esta atitude me treina a pensar no próximo. Lucas 10.30-37. A piedade está ligada à misericórdia; na medida em que exercermos a prática da justiça seremos piedosos e misericordiosos.

Torah escrita e revelada tem orientações práticas:

• Tire os degraus da frente do cego. Ou seja, eu preciso tirar aquilo que está impedindo o meu próximo de crescer.
• Socorro aos pobres – os cantos da lavoura eram designados aos pobres que pediam ao dono para colherem. O ato de pedir ajuda era um processo de humilhação para que o pobre entendesse que não deveria viver dessa forma. Uma forma de incentivar para crescer.

02. Juízo (mish·pát)- Para exercer mish-pát é necessário ter o conhecimento da verdade para poder julgar. Vem para executar o Tsedaca; o mish·pát dá ideia de código penal – define as consequências para quem não pratica a tsedaca.

D’us estabeleceu a Torah sobre dois fundamentos: a justiça e o juízo. E o juízo é sério! A justiça é movida pela piedade e o juízo é movido pela verdade. A verdade (Emet) nunca é somente aquilo que a gente vê; é mais profunda que os fatos. Os seremos humanos são treinados a julgar os fatos, mas D’us vê o coração. O Espírito Santo nos ensina a julgar como D’us julga. A justiça deve ser firmada em Emet, tudo o que for aparência perece diante da justiça. A Torah não é um livro, o livro revela a Torah. Ele revela o ensinamento de D’us, a justiça de D’us, a piedade de D’us. Cumprir os mandamentos é fazer o que D’us faria no meu lugar. Os mandamentos revelam o caráter de D’us. Jesus veio cumprir a Torah de D’us. Existe uma verdade contida em cada mandamento que revela a conduta ética e moral que está em D’us e que Ele deseja que esteja em nós.

A nova aliança é o cumprimento do retorno à Torah. É a reconexão àquilo que D’us no início preparou para o homem através do Espírito Santo. Só Ele pode nos fazer reconectar ao Pai. Jesus é a Torah viva!

“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”. João 1:14

Rm 8.29 ;  Mt 26.28 – D’us nos chamou para nos alimentarmos da árvore da vida, para sermos alimentados por Ele, do conteúdo d’Ele. Isto nos faz entender o juízo e a justiça d’Ele. Dia a dia esta forma de pensar deve operar em nós, pois fomos chamados para sermos a imagem da Torah, a imagem de Jesus.

 

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.